DICAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

Aqui você encontrará algumas dicas de nossa Língua Portuguesa, que são essenciais, não só para quem busca recolocação, mas também para quem deseja manter-se no mercado de trabalho. 

Quem tem problema com escrita e com redações, poderá ter sérias dificuldades no mundo corporativo, que demanda profissionais que tenham um português impecável. 

Aproveitem e desejo sucesso à todos!

PORQUE, PORQUÊ, POR QUÊ, POR QUE

1. PORQUE é conjunção causal ou explicativa:
“Ele viajou porque foi chamado para assinar contrato.”
“Ele não foi porque estava doente.”
“Abra a janela porque o calor está insuportável.”
“Ele deve estar em casa porque a luz está acesa.”

2. PORQUÊ é a forma substantivada (=antecedida de artigo “o” ou “um”):
“Quero saber o porquê da sua decisão.”
“A professora quer um porquê para tudo isso.”

3. POR QUÊ = só no fim de frase (= antes de pausa):
“Parou por quê?”
“Ele não viajou por quê?”
“Se ele mentiu, eu queria saber por quê.”
“Eu não sei por quê, mas a verdade é que eles se separaram.”

4. POR QUE:
- Em frases interrogativas diretas ou indiretas:
“Por que você não foi?” (=pergunta direta)
“Gostaria de saber por que você não foi.” (=pergunta indireta)

- Quando for substituível por POR QUAL, PELO QUAL, PELA QUAL, PELOS QUAIS, PELAS QUAIS:
“Só eu sei as esquinas por que passei.” (=pelas quais)
“É um drama por que muitos estão passando.” (=pelo qual)
“Desconheço as razões por que ela não veio.” (=pelas quais)

- Quando houver a palavra MOTIVO antes, depois ou subentendida:
“Desconheço os motivos por que a viagem foi adiada.” (=pelos quais)
“Não sei por que motivo ele não veio.” (=por qual)
“Não sei por que ele não veio.” (=por que motivo, por qual motivo).
___________________________________________________________________________________________________

VÍCIOS DE LINGUAGEM

SEJE e ESTEJE - Jamais utilizar!
O correto é "seja" e "esteja", pois:
Verbo ser - seja e Verbo estar - esteja.

PRIMEIRAMENTE -  Fuja disso!
A palavra "primeiro" é um numeral e não varia, nem vira advérbio de modo. 
Se a palavra "primeiramente" existisse, existiria também o "segundamente", "terceiramente" e assim por diante. 
Ao invés de "primeiramente", utilize "em primeiro lugar" ou "inicialmente".

A NÍVEL DE - Fuja do modismo!
No sentido de "no que diz respeito a", "em relação a", "em termos de", esta expressão é um modismo de gosto duvidoso. A expressão a nível de deve ficar restrita ao sentido de nivelamento.
Exemplos:
Esta cidade não fica ao nível do mar.
As águas chegaram a um nível nunca antes visto.
Vale lembrar, ainda, que expressões como em termos de, no que concerne a, no que diz respeito a são bem mais elegantes e apropriadas ao nível culto da língua do que a nível de.

MEIO DIA E MEIO - Está errado!
Essa expressão significa 12:30, 12h30min, ou seja, meio dia + meia hora. Portanto, meia é numeral e deve concordar com hora, no feminino:
Exemplos:
Já é meio-dia e meia, e ele ainda não chegou.
O avião chegará à meia-noite e meia.

MENAS - Não existe isso, "pelamor"!
Não importa em que situação, "menos é menos"!

PARA MIM FAZER ou PARA EU FAZER? - Mim não faz nada, quem faz sou eu
EU é o pronome que realiza a ação e MIM é sempre o que recebe. 
Este erro é inaceitável. Para mim fazer? Não! É: "Para eu fazer".
Uma dica: Usa-se "eu" no meio da frase e "mim" no final da frase.
Exemplo:
Me empresta o livro para eu ler.
Você já pegou o livro para mim?

GERUNDISMO - O gerundismo é um vício horrendo!
O gerundismo não é válido para ações que serão realizadas imediatamente, como “vou estar transferindo a ligação”, muito utilizado em SAC ou Telemarketing. O correto, neste caso é “vou transferir a ligação”.
Já a frase “eu bem que poderia estar lendo agora” está correta. Indica um processo. 
Caso necessite utilizar mais de dois verbos, evite “vou fazer" ou "vou estar”, use um verbo no futuro e diminua a quantidade de verbos como por exemplo: "farei" ou “estarei”: “não me ligue às 23hs, pois já estarei dormindo".

___________________________________________________________________________________________________

                NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO

A partir de janeiro de 2009 entrou em vigor o NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO, as mudanças no idioma visam universalizar a língua portuguesa, facilitando o intercâmbio cultural entre os países lusófonos.
Em 1990, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe assinaram o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, mas ele só passou a valer no Brasil depois que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o promulgou em setembro de 2008. 
Ficou estabelecido um período de transição de 1 de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2012, com o convívio das duas normas no país. 

A partir de 1º de janeiro de 2016, as novas regras passam a ser obrigatórias de forma oficial. O acordo na íntegra pode ser encontrado no site: http://www.portaldalinguaportuguesa.org/acordo.

A seguir, você terá um resumão das mudanças e das novas regras:

MUDANÇAS NO ALFABETO

O alfabeto passa a ter 26 letras, já que foram reintroduzidas as letras k, w e y. O alfabeto completo passa a ser: 
 A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

As letras k, w e y, que na verdade não tinham desaparecido da maioria dos dicionários da nossa língua, são usadas em várias situações. Por exemplo:
  • na escrita de símbolos de unidades de medida: km (quilômetro), kg (quilograma), W (watt);
  • na escrita de palavras e nomes estrangeiros (e seus derivados): show, playboy, playground, windsurf, kung fu, yin, yang, William, kaiser, Kafka, kafkiano.

TREMA

Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra u para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gueguiquequi.
                                    Como era                        Como fica
                                    agüentar          aguentar
                                    argüir          arguir
                                    bilíngüe          bilíngue
                                    cinqüenta          cinquenta
                                    delinqüente          delinquente
                                    eloqüente          eloquente
                                    ensangüentado          ensanguentado
                                    eqüestre          equestre
                                    freqüente          frequente
                                    lingüeta          lingueta
                                    lingüiça          linguiça
                                    qüinqüênio          quinquênio
                                    sagüi          sagui
                                    seqüência          sequência
                                    seqüestro          sequestro
                                    tranqüilo          tranquilo
Atenção:
O trema permanece apenas nas palavras estrangeiras e em suas derivadas. 
Exemplos: Müller, mülleriano.


MUDANÇAS NAS REGRAS DE ACENTUAÇÃO

1. Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima sílaba).
                                    Como era                        Como fica
                                    alcalóide                        alcaloide
                                    alcatéia                        alcateia
                                    andróide                        androide
                                    apóia                        (verbo apoiar) apoia
                                    apóio                        (verbo apoiar) apoio
                                    asteróide                        asteroide
                                    bóia                        boia
                                    celulóide                        celuloide
                                    clarabóia                        claraboia
                                    colméia                        colmeia
                                    Coréia                        Coreia
                                    debilóide                        debiloide
                                    epopéia                        epopeia
                                    estóico                        estoico
                                    estréia (o)                        estreia (a)
                                    geléia                        geleia
                                    heróico                        heroico
                                    idéia                        ideia
                                    jibóia                        jiboia
                                    jóia                        joia
                                    odisséia                        odisseia
                                    paranóia                        paranoia
                                    paranóico                        paranoico
                                    platéia                        plateia
                                    tramóia                        tramoia
Atenção:
Essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a ser acentuadas as palavras oxítonas e os monossílabos tônicos terminados em éis e ói(s)
Exemplos: papéis, herói, heróis, dói (verbo doer), sóis etc.

2. Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo.
                                    Como era                         Como fica
                                    baiúca                         baiuca
                                    bocaiúva                         bocaiuva*
                                    cauíla                         cauila**
*  bacaiuva = certo tipo de palmeira
**cauila = avarento

Atenção:
- Se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em posição final (ou seguidos de s), o acento permanece.
Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí;

- Se o i ou o u forem precedidos de ditongo crescente, o acento permanece. Exemplos: guaíba, Guaíra.

3. Não se usa mais o acento das palavras terminadas em êem e ôo(s).
                                    Como era       Como fica
                                    abençôo       abençoo
                                    crêem (verbo crer)       creem
                                    dêem (verbo dar)       deem
                                    dôo (verbo doar)       doo
                                    enjôo       enjoo
                                    lêem (verbo ler)       leem
                                    magôo (verbo magoar)       magoo
                                    perdôo (verbo perdoar)       perdoo
                                    povôo (verbo povoar)       povoo
                                    vêem (verbo ver)       veem
                                    vôos        voos
                                    zôo       zoo

4. Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla(s)/pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera.

                                     Como era                            Como fica
                                     Ele pára o carro.                  Ele para o carro. 
                                     Ele foi ao pólo Norte.            Ele foi ao polo Norte
                                     Ele gosta de jogar pólo.         Ele gosta de jogar polo.
                                     O gato tem pêlos claros.       O gato tem pelos claros.
                                     Comi uma pêra.                   Comi uma pera.

Atenção:
- Permanece o acento diferencial em pôde/pode. Pôde é a forma do passado do verbo poder (pretérito perfeito do indicativo), na 3ª pessoa do singular. Pode é a forma do presente do indicativo, na 3ª pessoa do singular.
Exemplo: Ontem, ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode.

- Permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é verbo. Por é preposição. 
Exemplo: Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim.

- É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as palavras forma/fôrma. Em alguns casos, o uso do acento deixa a frase mais clara. Veja este exemplo: Qual é a forma da fôrma do bolo?

- Permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos ter e vir, assim como de seus derivados (manter, deter, reter, conter, convir, intervir, advir etc.). 
Exemplos:
Ele tem dois carros. / Eles têm dois carros.
Ele vem de Sorocaba. / Eles vêm de Sorocaba.
Ele mantém a palavra. / Eles mantêm a palavra.
Ele convém aos estudantes. / Eles convêm aos estudantes.
Ele detém o poder. / Eles detêm o poder.

Ele intervém em todas as aulas. / Eles intervêm em todas as aulas.

5. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem, do presente do indicativo dos verbos arguir e redarguir.

6. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em guarquar e quir, como aguar, averiguar, apaziguar, desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir etc. Esses verbos admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e também do imperativo. 
Veja:
  • se forem pronunciadas com a ou i tônicos, essas formas devem ser acentuadas.
    Exemplos:
    verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem.
    verbo delinquir: delínquo, delínques, delínque, delínquem; delínqua, delínquas, delínquam.
  • se forem pronunciadas com u tônico, essas formas deixam de ser acentuadas.
    Exemplos (a vogal sublinhada é tônica, isto é, deve ser pronunciada mais fortemente que as outras):
    verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem.
    verbo delinquir: delinquo, delinques, delinque, delinquem; delinqua, delinquas, delinquam.
Atenção:
No Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, aquela com a e i tônicos.


USO DO HÍFEN COM COMPOSTOS

1. Usa-se o hífen nas palavras compostas que não apresentam elementos de ligação. Exemplos: guarda-chuva, arco-íris, boa-fé, segunda-feira, mesa-redonda, vaga-lume, joão-ninguém, porta-malas, porta-bandeira, pão-duro, bate-boca.

*Exceções: Não se usa o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição.
Exemplos: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, paraquedismo.

2. Usa-se o hífen em compostos que têm palavras iguais ou quase iguais, sem elementos de ligação. 
Exemplos: reco-reco, blá-blá-blá, zum-zum, tico-tico, tique-taque, cri-cri, glu-glu, rom-rom, pingue-pongue, zigue-zague, esconde-esconde, pega-pega, corre-corre.

3. Não se usa o hífen em compostos que apresentam elementos de ligação. Exemplos: pé de moleque, pé de vento, pai de todos, dia a dia, fim de semana, cor de vinho, ponto e vírgula, camisa de força, cara de pau, olho de sogra.

Incluem-se nesse caso os compostos de base oracional. 
Exemplos: maria vai com as outras, leva e traz, diz que diz que, deus me livre, deus nos acuda, cor de burro quando foge, bicho de sete cabeças, faz de conta.
* Exceções: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.

4. Usa-se o hífen nos compostos entre cujos elementos há o emprego do apóstrofo. 
Exemplos: gota-d'água, pé-d'água.

5. Usa-se o hífen nas palavras compostas derivadas de topônimos (nomes próprios de lugares), com ou sem elementos de ligação. 
Exemplos:
Belo Horizonte - belo-horizontino
Porto Alegre - porto-alegrense
Mato Grosso do Sul - mato-grossense-do-sul
Rio Grande do Norte - rio-grandense-do-norte
África do Sul - sul-africano

6. Usa-se o hífen nos compostos que designam espécies animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos, raízes, sementes), tenham ou não elementos de ligação. 
Exemplos: bem-te-vi, peixe-espada, peixe-do-paraíso, mico-leão-dourado, andorinha-da-serra, lebre-da-patagônia, erva-doce, ervilha-de-cheiro, pimenta-do-reino, peroba-do-campo, cravo-da-índia.

Obs.: não se usa o hífen, quando os compostos que designam espécies botânicas e zoológicas são empregados fora de seu sentido original. 
Observe a diferença de sentido entre os pares:

a) bico-de-papagaio (espécie de planta ornamental) - bico de papagaio (deformação nas vértebras).

b) olho-de-boi (espécie de peixe) - olho de boi (espécie de selo postal).Uso do hífen com prefixos

As observações a seguir referem-se ao uso do hífen em palavras formadas por prefixos (anti, super, ultra, sub etc.) ou por elementos que podem funcionar como prefixos (aero, agro, auto, eletro, geo, hidro, macro, micro, mini, multi, neo etc.).

Casos gerais

1. Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por h. Exemplos:
anti-higiênico
anti-histórico
macro-história
mini-hotel
proto-história
sobre-humano
super-homem
ultra-humano

2. Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma letra com que se inicia a outra palavra. Exemplos:
micro-ondas
anti-inflacionário
sub-bibliotecário
inter-regional

3. Não se usa o hífen se o prefixo terminar com letra diferente daquela com que se inicia a outra palavra. Exemplos:
autoescola
antiaéreo
intermunicipal
supersônico
superinteressante
agroindustrial
aeroespacial
semicírculo

* Se o prefixo terminar por vogal e a outra palavra começar por r ou s, dobram-se essas letras. Exemplos:
minissaia
antirracismo
ultrassom
semirreta

Casos particulares

1. Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por rExemplos:
sub-região
sub-reitor
sub-regional
sob-roda

2. Com os prefixos circum e pan, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por mn e vogalExemplos:
circum-murado
circum-navegação
pan-americano

3. Usa-se o hífen com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, vice. Exemplos:
além-mar
além-túmulo
aquém-mar
ex-aluno
ex-diretor
ex-hospedeiro
ex-prefeito
ex-presidente
pós-graduação
pré-história
pré-vestibular
pró-europeu
recém-casado
recém-nascido
sem-terra
vice-rei

4. O prefixo co junta-se com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o ou h. Neste último caso, corta-se o h. Se a palavra seguinte começar com r ou s, dobram-se essas letras. Exemplos:
coobrigação
coedição
coeducar
cofundador
coabitação
coerdeiro
corréu
corresponsável
cosseno

5. Com os prefixos pre e re, não se usa o hífen, mesmo diante de palavras começadas por e. Exemplos:
preexistente
preelaborar
reescrever
reedição

6. Na formação de palavras com abob e ad, usa-se o hífen diante de palavra começada por bd ou rExemplos:
ad-digital
ad-renal
ob-rogar
ab-rogar

Outros casos do uso do hífen
1. Não se usa o hífen na formação de palavras com não e quaseExemplos:
(acordo de) não agressão
(isto é um) quase delito

2. Com mal*, usa-se o hífen quando a palavra seguinte começar por vogal, h ou lExemplos:
mal-entendido
mal-estar
mal-humorado
mal-limpo

* Quando mal significa doença, usa-se o hífen se não houver elemento de ligação. Exemplo: mal-francês. 
Se houver elemento de ligação, escreve-se sem o hífen. Exemplos: mal de lázaro, mal de sete dias.

3. Usa-se o hífen com sufixos de origem tupi-guarani que representam formas adjetivas, como açu, guaçu, mirim. Exemplos:
capim-açu
amoré-guaçu
anajá-mirim

4. Usa-se o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares. Exemplos:
ponte Rio-Niterói
eixo Rio-São Paulo

5. Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte. Exemplos:
Na cidade, conta-se que ele foi viajar.
O diretor foi receber os ex-alunos.

LETRAS MAIÚSCULAS

Se compararmos o disposto no Acordo com o que está definido no atual Formulário Ortográfico brasileiro, vamos ver que houve uma simplificação no uso obrigatório das letras maiúsculas. 
Elas ficaram restritas:
● a nomes próprios de pessoas (João, Maria), lugares (Curitiba, Rio de Janeiro), instituições (Instituto Nacional da Seguridade Social, Ministério da Educação) e seres mitológicos (Netuno, Zeus);
● a nomes de festas (Natal, Páscoa, Ramadão);
● à designação dos pontos cardeais quando se referem a grandes regiões (Nordeste, Oriente); 
● às siglas (FAO, ONU);
● às iniciais de abreviaturas (Sr. Cardoso, Gen. Mello, V. Ex.ª);
● e aos títulos de periódicos (Folha de S.Paulo, Gazeta do Povo). Ficou facultativo usar a letra maiúscula nos nomes que designam os domínios do saber (matemática ou Matemática), nos títulos (Cardeal/cardeal Seabra, Doutor/doutor Fernandes, Santa/santa Bárbara) e nas categorizações de logradouros públicos (Rua/rua da Liberdade), de templos (Igreja/igreja do Bonfim) e edifícios (Edifício/edifício Cruzeiro). 

BIBLIOGRAFIA

Parte do material utilizado para este resumo foi retirado do material, na qual é autorizada divulgação desde que citada a fonte:

1. SIMÕES, Sérgio Lourenço. O novo acordo ortográfico sem segredo.
São Paulo : UNINOVE, 2009. (Série Palavra final, v.1) ISBN 978-85-909417-0-5
2. Artigo elaborado pelo Prof° Douglas Tufano publicado no site Michaelis no UOL através do link http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugueS/index.php?typePag=novaortografia

Treine seu português e se prepare ainda melhor para o mercado de trabalho!
Abraço e sucesso!

3 comentários:

  1. Sempre bom relembrar as formas corretas do nosso vocabulário. As vezes, na correria, evita muitas gafes e os possíveis brancos de escrita. Gostei!

    Abraço!

    Andreia Mazzochi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Andreia!
      Inicialmente agradeço-lhe por prestigiar o Blog Além do RH.

      É isso ai! Relembrar nossa língua nativa é sempre positivo para nos proteger de gafes e desatenção, devido ao stress do cotidiano.

      Seja sempre muito bem-vinda!
      Grande abraço,

      Simoni Aquino
      www.alemdorh.blogspot.com
      www.simoniaquino.com.br

      Excluir
  2. Adorei as dicas de língua portuguesa.

    ResponderExcluir

Olá!
Por gentileza, antes de comentar leia nossos Termos de Uso, pois dependendo do conteúdo de sua mensagem ela poderá não ser respondida ou liberada.

Conto com a sua compreensão,

Simoni Aquino
Idealizadora e escritora do Blog Além do RH

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...